among us

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Hoje foi o dia em que chorei para não dizer o que ia na alma

Trabalho em comércio desde os 15 anos, o que significa que há quase 15 anos... metade da minha vida.
Há clientes que ficam amigos, que até chegam a ajudar em aflições. Tenho clientes no meu local de trabalho que passam lá quase diariamente, me cumprimentam, mostram fotos da família, perguntam como está a minha, levam chocolates para me oferecer no Natal.
Fora esses há muito palerma neste mundo. E hoje apareceu-me um. Eu ando cansada, não só física, mas principalmente psicologicamente. Ele não tinha razão e eu comuniquei-lho educadamente. Desatou aos berros e disse a fatídica frase: "Porque eu é que sou o cliente e tu ficas aí caladinha a ouvir-me".
Eu sou pessoa para, se na rua se ouvir algo do género, espetar uma cabeçada no energúmeno. Assim mesmo, à cabeçada. No meu local de trabalho não. E há falta de poder dizer o que me ia na alma, as lágrimas caíram-me pela cara abaixo e só respondi: "Antes de você ser cliente e eu ser vendedora, somos seres humanos e eu não fiz nada que merecesse a maneira como me está a tratar. E não, não vou ficar aqui a ouvi-lo", virei costas e fui embora.
O homem, contaram-me depois, encheu-se de pedir desculpas, pediu para me dizerem que também era vendedor e que entendia que tinha abusado. Isto a mim só me deixa mais indignada, porque só quem atende clientes é que compreende como deve ser atendido.
Foi uma estreia, não tenciono que se repita, mas acredito que as minhas lágrimas tenham sido maior lição de moral do que quaisquer palavras que poderia ter dito.
Tenho de acreditar nisso, porque senão um estúpido não passa de um estúpido.

18 comentários:

Palavra Já Perdida disse...

Há pessoas que enfim... nem uma cabeçada !
Beijinho e espero que estejas melhor.

Maggie disse...

há quem tenha prazer em rebaixar quem está atrás de um balcão ... gente minuscula, só isso.

Bjos para ti

Maggie

Mrs. BlueBerry disse...

Pois, se também trabalhava com o público deveria ter sido mais simpático e tomado aquele lema que aprecio muito "não faças aos outros aquilo que não gostas que te façam a ti". Força.

Bj*

Dama de Aço disse...

As pessoas não tem respeito nenhum... Lá porque se é cliente, não dá de todo o direito de falar mal e mal tratar os vendedores.
Isso é coisa para me tirar do sério.
Força aí.

Dreamer Girl disse...

Concordo contigo, sendo ele vendedor devia tratar-te como gostaria que o tratassem a ele... :/

Beijinho e força

Coquinhas disse...

Isso é gente má. Força pandinha :)

♥Cat disse...

Tiveste muita classe em reagir assim. Às vezes são chapadas sem mão que doem tanto como uma agressão!
Espero que estejas melhor!
Muita força!

Karina sem acento disse...

Estiveste muito bem, deste uma resposta à altura porque a verdade é essa: independentemente de serem cliente/vendedor, são pessoas e só por isso deveria reinar o bom senso e a educação.

Panóplia de Sonhos disse...

Também trabalho no comércio e às vezes aparece cada um... Só mesmo à lambada! Mas tem calma, respira fundo e tudo vai correr bem. Um caso não são casos ;)

Beijinhos,
Sonhadora *

Sílvia disse...

Como eu te percebo. Também me pareece cada um às vezes que só me apetece mandá-los a um certo sítio. Tenho que me controlar tantas vezes :s
Mas tudo passa :)

beijinhos*

→ Calipso disse...

"Isto a mim só me deixa mais indignada, porque só quem atende clientes é que compreende como deve ser atendido." Ai mulher que verdade! Eu trabalho em atendimento ao público há mais de um ano e a verdade é que uma pessoa desperta para a realidade. Eu atendo com cada pessoa mais mal-educada que só me apetece mandá-lo para o caralho que o/a foda MAS infelizmente, ser despedida não é uma opção. E isto leva-me a um ponto crucial: nunca na minha vida me passaria pela cabeça tratar mal uma pessoa só porque sim. E noverdade é que há pessoas que olham para ti de cima abaixo, como se fossem superiores só porque estás ali a atendê-las e porque trabalhas atrás do balcão. Por acaso tenho engolido muitos sapos mas como estou quase a sair do meu trabalho, te garanto que se uma pessoa abusar da minha paciência, mando-a à merda com uma grande pinta. entanto, a

Dxani disse...

Uiiii, eu que trabalhei apenas um ano no comércio e em part-time, tenho tantas historias dessas para contar...

Ana Ricardo disse...

Grande mulher! Disseste muito bem!

Moa disse...

que idiota! força

Just a Lady disse...

Compreendo-te bem. Também trabalho no atendimento ao público e nem sempre é fácil. Principalmente aqueles clientes trombudos e que nem bom dia dizem.
Já apanhei algumas em que me deixaram enervada, só te posso desejar muita força. Responder mentalmente também ajuda.
Beijinho*

Anna Marian disse...

Olha querida Panda, às vezes acaba por ser mesmo o mau dia das pessoas e acabam por descarregar em quem não deve. Acredito que tenha agido sem pensar de outro modo não sentiria arrependimento. Tenho pena que só com as lágrimas que uma verdade tão frontal como sermos seres humanos o tenha feito perceber que exagerou. Mas enfim.. infelizmente a vida nem sempre é justa connosco. Beijinho grande e abraço forte**

Pocket of Sunshine disse...

Sei bem do que falas, lidar com clientes é aquilo que faço todos os dias e muitas vezes não é nada fácil.

Evy Percebes disse...

O atendimento ao publico não é mesmo nada fácil. São tantas vezes que temos de calar e ouvir as maiores babozeiras do mundo. Há gente muito triste e é mais triste ainda se têm o mesmo tipo de trabalho. Tiveste muito bem! Beijinhos grandes