among us

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Como encontrar alegria num emprego que se detesta

Ontem uma amiga disse-me que ganha muito mal no emprego, faz 10h diárias e pouco passa o salário mínimo. Mas não é capaz de procurar outro trabalho porque adora o que faz.
Perguntou-me se eu gostava do meu. Tem fases. Agora estou numa em que nem me alegra nem me entristece.
Já odiei trabalhar lá, já amei, e agora estou no ponto em que nem é carne, nem é peixe.
Dediquei-me a ler alguns artigos, nomeadamente no site Mind Body Green e na Forbes, sobre dicas de como encontrar alegria quando o emprego nos entristece. Porque poucos são os que se podem dar ao luxo de simplesmente se despedir.

  • Parar de se queixar. E esta é uma lei universal, dá para tudo. Pensamentos negativos atraem acções negativas, além de que não é nada saudável. Quando se aperceber que já se está a queixar, mental ou verbalmente, mude o pensamento para algo agradável.
  • Personalizar o espaço de trabalho. Torná-lo mais agradável para si, com boas recordações à volta. Se não tem um espaço físico específico pode sempre andar com um talismã (uma pulseira, um objecto no bolso...), que lhe traga essa sensação de conforto quando lhe toca.
  • Negociar as condições de trabalho. Tente perceber o que é que não gosta no trabalho: o horário? a função? o número de horas? Dá para trocar? Se sim fale com o seu patrão, o máximo que pode acontecer é ficar na mesma.
  • Faça pausas. Quando estiver a ponto de "explodir com o Universo" ou mesmo quando está bem. Descontraia, coma algo.
  • Construa relações. Um bom ambiente de trabalho em termos de camaradagem vale ouro. Vale mais que ouro. Arranje um confidente, mas cuidado! que seja mesmo de confiança.
  • Pratique a gratidão. Pense que aquele emprego lhe permite pagar a comida, a casa, a camisola, as férias, o que for... pense que aprende sempre alguma coisa com o que faz... pense que conheceu aquela pessoa graças ao trabalho... agradeça! Mais uma lei universal.
  • Ignore. Se não gosta do emprego devido a alguém que "lhe faz a vida negra": ignore! Todos aprendemos com os nossos erros e com o tempo. Aprendam também com os dos outros. Eu cometi este erro de dar demasiada importância a estúpidos, vezes demais. Não há maior desfeita que o desprezo.
E vocês gostam ou não do vosso emprego?
Acham estas dicas úteis?

8 comentários:

Moa disse...

Não...mas tento seguir algumas dessas dicas.

Sónia RM disse...

Tem dias ;)

Timtim Tim disse...

Gosto muito do meu trabalho, dos colegas e dos funcionários...ah e personalizei o meu gabinete. Sou feliz a trabalhar.

Sílvia disse...

Não gosto mas tento relativizar. Penso que é graças a ele que vou conseguir concretizar alguns desejos (monetariamente falando), mas às vezes é mesmo muito difícil aguentar sem poder diizer tudo o que pensamos. Ando naquele ponto que estou a acumular de tal forma as coisas que qualquer dia vou explodir e não vai ser bonito de ver. Bem tento contar até 10 mas acho que agora nem ate 100

Sílvia disse...

Não gosto mas tento relativizar. Penso que é graças a ele que vou conseguir concretizar alguns desejos (monetariamente falando), mas às vezes é mesmo muito difícil aguentar sem poder diizer tudo o que pensamos. Ando naquele ponto que estou a acumular de tal forma as coisas que qualquer dia vou explodir e não vai ser bonito de ver. Bem tento contar até 10 mas acho que agora nem ate 100

Sílvia disse...

Não gosto mas tento relativizar. Penso que é graças a ele que vou conseguir concretizar alguns desejos (monetariamente falando), mas às vezes é mesmo muito difícil aguentar sem poder diizer tudo o que pensamos. Ando naquele ponto que estou a acumular de tal forma as coisas que qualquer dia vou explodir e não vai ser bonito de ver. Bem tento contar até 10 mas acho que agora nem ate 100

Panda disse...

Pois, por vezes é muito difícil. E também sou da opinião que a nossa sanidade mental é o mais importante, no entanto é preciso ver se há alternativas, porque ficar no desemprego, para mim, deve ser desesperante.
Tenta manter a calma e segue as dicas. Beijinho

Cátia disse...

O que está aqui escrito é bem verdade!