among us

domingo, 11 de agosto de 2013

Segundas oportunidades

Quando gosto de alguém, quando lhe ganho afeição mesmo, a pessoa sabe que pode contar comigo. Sou leal, muito mesmo, transparente, defendo com unhas e dentes, nunca faria nada para magoar alguém que me chegou ao coração. Sou agradecida pela afeição que me dedicam. As suas vitórias são as minhas vitórias, as suas lutas são as minhas lutas.
E como eu sou assim, tenho para mim que os outros também o devem ser. Por isso se alguém que me é assim chegado, me faz algo que quebra a minha confiança, eu não perdoo. Às vezes eu até gostaria de poder esquecer porque toda a gente tem defeitos e penso que a intenção até poderia não ser má. Gostaria de esquecer e avançar. Mas não consigo e sabe Deus que já tentei.
Fico sempre de pé atrás, nunca mais volta a ser o mesmo. É um defeito que tenho, sim porque também eu gosto de receber segundas oportunidades, mas tenho-o.
Não entendo por isso como há melhores amigas que viram desconhecidas, pais que magooam os filhos, irmãos que não se entendem e tantos outros exemplos que vejo por aí. Não entendo como há pessoas capazes de chegar a esse ponto, mas compreendo porque muitas vezes depois de quebrado o laço as coisas se mantenham más.

3 comentários:

Palavra Já Perdida disse...

há situações que marcam e a coisa não volta ao lugar...eu já passei por isso e na única situação que voltei atrás, com tempo a situação melhorou. Mas fica sempre ali um mas...

nobady listening disse...

infelizmente é muito triste e magoa muito... eu também sou assim e quando me desiludo não há volta a dar.

Karina sem acento disse...

Eu sou como tu, então. Eu sei que todos nós temos os nossos defeitos e feitios (o meu então sei que está longe, bem longe de ser perfeito), mas há certas atitudes e comportamentos que eu, mesmo perdoando, fico sempre de pé atrás.