among us

domingo, 11 de maio de 2014

A simplificar a vida

Eu sempre tive queda para o minimalismo, mas só de há cerca de um ano para cá, é que eu tive consciência que essa minha tendência tinha um nome. E que há uma série de pessoas que defendem essa maneira de viver com unhas e dentes, há livros e blogs, e uma série de coisas porreiras sobre o minimalismo.
Coisas às quais tenho dedicado muita da minha atenção e por isso é normal que me vejam a falar disso aqui mais vezes.

Ainda não sou minimalista, mas para lá caminho. Acontece é que os hábitos levam tempo a alterar-se, e estas coisas são também muito psicológicas, e é difícil alterar a nossa maneira própria de ser.
Por exemplo, sou pessimista por natureza. Eu bem tento não o ser... mas é a minha natureza. E está a dar-me um trabalhão mudar esse aspecto da personalidade. É difícil, mas não impossível. Já fui pior e hei-de ser melhor.

Na orientação minimalista, o que se me torna mais fácil é destralhar a casa. Livrar-me do desnecessário e supérfulo, e com isso também me refiro às roupas. A única coisa da qual ainda não me consigo livrar é dos livros.
Mas existem outras coisas que devemos simplificar na nossa vida. Ao todo são 10 as principais, segundo o blog becoming minimalist, e passo a citar:

1- As posses.
2- A maneira como comprometemos o nosso tempo. (e aqui eu preciso MESMO de simplificar, passo os meus dias, incluindo folgas, a correr)
3- Os objectivos
4- Os pensamentos negativos
5- As dívidas
6- As palavras (outra área na qual me prometo aplicar a sério)
7- Os ingredientes artificiais (e por isto referem-se às comidas e aos medicamentos. E este é outro aspecto que realmente custa muito a mudar, mas que sem dúvida já vai sendo altura de eu aceitar que tenho de o fazer)
8- O tempo dedicado ao ecrã (da televisão, do computador, do tablet, da consola...)
9- As ligações com o mundo (facebooks e outras redes sociais, sempre a distraírem-nos do presente, do aqui e agora, de quem está mesmo ao lado)
10- O multi-tasking (fazer muita coisa ao mesmo tempo. Dedicar-nso a uma só coisa e fazê-la bem)

Não fazem lógica estas escolhas? Não olhamos para esta lista e achamos que realmente são motivos de stress, e que se os soubessemos simplificar a nossa vida seria melhor?
Há algum aspecto que gostavam de modificar também, ou não estão nem aí para estas coisas?

8 comentários:

Marta Martins disse...

Gostei muito do blog, já estou a seguir. Bom domingo.

Paula_2700 milhas disse...

Fazem todo o sentido! Comecei a sentir essa necessidade há poucos anos atrás. Não me considero minimalista, mas tenho muito em comum com essa filosofia de vida. Acho que é um processo, porque temos de reeducar hábitos e atitudes, há avanços e recuos, mas consegue-se e não é conversa da treta: faz mesmo uma grande diferença no modo como nos sentimos - para muito melhor.
Por isso... força e inspiração, vale a pena!

Panda disse...

Obrigada Paula pela motivação!

E obrigada Marta pela visita!

S* disse...

Gosto da postura!

Portuguesinha disse...

É o retorno a um estilo de vida anterior à tecnologia que temos hoje, aos recursos médicos que temos hoje. É VIVER como os nossos avós: sem TV, sem mais que dois pares de roupa, sem máquinas, sem eletricidade, sem livros... sem luxos. Do chão para a boca.

Frutinha disse...

Também eu tenho vindo a mudar alguns aspectos na minha vida nesse sentido. Inicialmente parece dificil mas depois de entrar na rotina a coisa torna-se mais facil e acima de tudo, normal.

Espreita o ultimo post do blog:
『♥』LOOK | Happyness & Love『♥』

Coquinhas disse...

Ui, eu não sou nada minimalista :S Mas devia

C*inderela disse...

Gosto dessa postura de vida mas não é fácil para mim! Aos poucos e poucos vou tentando adaptar algumas coisas mas é um processo lento.