among us

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

As gordinhas e a Margarida Rebelo Pinto

Crónica "As gordinhas e as outras" aqui.
Para se compreender todo o burburinho de volta desta crónica será mesmo necessário lê-la até ao fim. Não é um trabalho agradável, eu sei, mas ainda assim é melhor do que ter de ler um livro inteiro dela. (eh eh tacada#1)

Ora eu tenho as minhas lutas com o peso, poucas mulheres não as terão. Mas o meu peso não me define. O meu peso dá-me alegrias e tristezas mas o meu peso não é a alegria ou a tristeza dos meus dias.
A luta pelo peso ideal levou-me a descobrir algo que eu adoro e que agora faço por puro prazer: exercício físico. Mas nunca fui e acho que posso dizer que nunca serei uma daquelas mulheres, anorécticas ou não, que passam a vida a contar calorias, a comer alfaces e a colecionar dietas.
Porque essas mulheres podem olhar para mim enquanto como uma pizza e pensar "coitada, que gorda!" que eu olho para elas a pensar: "coitada, a passar fome!".
Eu posso ter uns kg a mais mas sou feliz, porque santa paciência alguém que passa a vida a fechar a boca e a fazer contas do quantas calorias ainda lhe restam não pode estar bem! Ainda que o aparente. Mais que não seja a fome torna qualquer um rabugento.
E deve ter sido isso que aconteceu com a Margarida. Não devia andar a comer bem quando escreveu a crónica, foi a fome a falar. Por isso é que os livros dela são "light". Ainda bem que eu sou gordinha e até nos livros não consumo light.

Ou então mais uma vez esta mulher de aparência tão ideal viu algum homem a ser-lhe roubado por uma gorda. Como é que ele pôde?

11 comentários:

A Bomboca Mais Gostosa disse...

Adorei o post. E concordo em absoluto!

S* disse...

Não prescindo da comida. Ser magra e ter de comer coisas que não me fazem feliz não é o meu sonho.

S disse...

Só tenho um problema com a quilo que disseste, é que há mulheres (e muitas)que apesar de comerem este mundo e outro NÃO ENGORDAM, é verdade existem! e o mundo parece ignorar esse facto não percebo porquê! Ou seja, não passam fome, muito pelo contrário e são MAGRAS! Eu posso falar porque sou uma dessas mulheres que só engordei depois de ter o meu filho, e ainda assim nunca serei "gorda" simplesmente não tenho "estrutura" para isso, tenho sim gordura localizada etc que preferia não ter. E depois fazem tudo enorme nas lojas para as meninas mais gordinhas não se sentirem mal e não ficarem anorécticas e esquecem-
se das pessoas naturalmente e genéticamente MAGRAS!
Bj S

Pretty in Pink disse...

bem tenho de ir ler essa crónica mas já estou a ver que a mulher deve ter uma opinião de ficar com os olhos em bico!

Beijinho*

Pimpinela disse...

Já conhecia o texto e sim, é mt mau... preconceito puro!!! e acho que é como dizes, lol viu algum homem a ser-lhe roubado por uma "gordinha" como ela escreve!

Palavra Já Perdida disse...

Ai porra...que texto tão baixinho dela !
Coitada..tão oca de mente...

Turista disse...

Querida Panda, muito bom este teu post! :)
Mas o que me deslumbrou mesmo, foi tu dizeres que começaste a fazer exercício físico por causa do peso, e que agora adoras! :)
Parece que ainda há salvação para mim, preguiçosa nata!!
Beijinhos grandes. :)

Dj LionMaster disse...

Encornada por gordinha!! ahahaha

MRP... aguenta e não chora! :P

Quel* disse...

Nem mais. Infelizmente o tamanho do cérebro dela é proporcional ao tamanho da anca. Certamente que alguém a trocou por uma gorda com um cérebro decente

A Revolta das Gordas disse...

http://www.facebook.com/pages/A-Revolta-das-Gordas/523292364354426

Cor do Sol disse...

Lá está, não se gosta do preconceito com as "gordas" mas há todo o direito de o ser com as "magras". Eu não desculpo o texto estapafurdio da Margarida mas posso dizer que sou bem magra e como muito bem, não passo fome e uma das minhas grandes alegrias e prazeres é a comida. Há que ter conta, peso e medida quando nos queremos "defender" atacando os outros. Acho que só nos tornamos iguais a quem criticamos quando por outras vias também se magoa neste caso as magras.