among us

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Livros inacabados

Não gosto de deixar livros a meio. Faço um esforço desumano para os conseguir acabar mesmo quando acho que são uma bela de uma porcaria, porque estou sempre à espera que a qualquer momento aconteça algo surpreendente e que faça a reviravolta que faz valer a pena. Assim de repente lembro-me de 2 livros que não acabei. E eu já li muito livro, por isso 2 é quase nada.
Um do Baptista-Bastos: "No interior da tua ausência", ofereceram-mo no meu 18º aniversário. Nunca mais me esqueci que uma das primeiras frases é: "Viver é perder amigos" e achei aquilo tão verdadeiro. No entanto, achei o livro demasiado triste e desisti ao fim de alguns capítulos. Pensando nisso acho que agora devia pegar nele outra vez, já devo estar preparada para ler umas verdades.
Outro foi o "A Casa Quieta" do Rodrigo Guedes de Carvalho, este já o ofereci a alguém. Por duas vezes tentei lê-lo e aquela escrita muito coloquial, em que repete a mesma frase várias vezes, a mim enerva-me profundamente.
Há ainda o "Abraço" do José Luís Peixoto que me falta ler poucos textos para acabar mas na altura já o andava a ler há mais de um mês e entretanto recebi outro livro que queria muito ler e deixei o resto do "Abraço" para acabar.
Agora ando num esforço enoooooorme para acabar de ler o "Esplendor da Vida" da Sveva Casati Modignani. Já li o Baunilha e Chocolate dela e não gostei e este vem confirmar que o que muitos gostam (ela é best seller) não é o que eu gosto.

3 comentários:

Zaahirah disse...

Há uns anos estive para comprar esse da Casa Quieta. Pareceu-me interessante, mas depois tirei daí o sentido. Ainda bem, pelos vistos!

Camila disse...

Também não sou fã da Sveva e nunca consegui acabar um livro dela.. não que escreva mal, mas não é a minha praia..
Quanto aos outros que falaste ainda não tentei ler nenhum e pelos vistos ainda bem, porque também odeio esse tipo de livros em que usam palavras de sete e quinhentos e estão sempre a girar em torno da mesma ideia.

Devaneios.de.mestra disse...

O do Rodrigo Guedes de Carvalho também comecei a ler e não consegui acabar, na verdade devo ter lido só meia dúzia de páginas, não fui capaz de ir mais longe :) e emprestei-o a alguém que nunca mais o devolveu, mas também não faz falta ;)