among us

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Vidas


Ás vezes penso no quão estaremos (a minha geração) mal habituados.
Penso no quanto a minha mãe se recorda do vestido que a professora primária lhe deu por ter sido a melhor aluna do ano. Ela não tinha outro. Tinha uma saia e uma blusa que lavava todos os dias e secava de noite para usar no dia seguinte.
Penso no quanto ela queria continuar a estudar e a puseram a trabalhar, com 10 anos, num restaurante/pensão 18h por dia, com direito à manhã de Domingo de folga para ir à missa e a ir a casa dos pais uma única vez por ano.
Recordo a maneira emocionada como ela me conta que regressou a casa dos pais aos 15 anos, completamente deprimida, para tomar conta da mãe doente e de 4 irmãos mais novos. Casou, teve 5 filhos (3 deles em casa) e sempre trabalhou incansavelmente, em casa e no campo. Hoje em dia o nosso Estado não lhe dá um cêntimo, apesar dos seus cansados 63 anos.
 Sempre que me imagino no lugar dela fico emocionada... às vezes sinto que daria tudo para eu me colocar no lugar dela para ser eu a sofrer e não ela. Gostava que ela tivesse tido as mesmas oportunidades que nos deu, a mim e aos meus irmãos.
É muito esse pensamento que eu tento ter quando começo a ficar mais saturada... se acho que tenho queixa do emprego ou que nunca tenho roupa nenhuma ou que me faz falta isto ou aquilo.
Recordo a história de vida da minha mãe e sinto-me abençoada pela fartura em que vivo.

10 comentários:

*Lili* disse...

É verdade minha querida... eu já sendo mais nova do que tu também oiço essas histórias da minha familia... para mim não são apenas histórias. São exemplos de vida, que em momentos menos bons da vida tenho em conta e recordo. Mas hoje em dia isto infelizmente já não é o que era... e se hoje valorizamos aquele que temos. Daqui por uns anos será esquecido pela nova geração.

Petra disse...

Ora e que grandes verdades disseste agora Panda... penso nisso muitas vezes.

Cafe Lisbonne disse...

Ê isso... Olhar para "baixo" também faz muito bem por vezes...

Cafe Lisbonne disse...

Ê isso... Olhar para "baixo" também faz muito bem por vezes...

Moa disse...

É verdade! Fomos mal habituados e queixamo-nos por pouco!

Panda disse...

Olá Lili. A minha mãe também costuma dizer que oxalá não voltemos aos tempos antigos mas desconfio que a próxima geração é capaz de ser ainda menos sortuda que nós...

Palavra Já Perdida disse...

Pois, como te entendo..os meus pais também sofreram bastante por causa da guerra em Angola e nem sequer quero imaginar o que eles e os meus irmãos sofreram .
Por isso, é mesmo agradecer por aquilo que temos. Pois temos cá uma sorte!

na america profunda disse...

E' verdade, os meus pais passaram por isso, e penso exactamente como tu a sorte que tenho e o que devo agradecer todos os dias por nao me faltar comida no prato e ter saude.
bjinhos bom fds

S* disse...

É um facto que somos uma geração mimada.

EscritaDela disse...

Nada melhor como ter um exemplo assim para darmos valor. Parabéns por teres esse exemplo :)