among us

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

And the beat goes on

Eu, na minha roupa de treino. 

O blog tem andado paradito mas a dona nem por isso.
Desde já agradeço todas as mensagens de coragem que me deram, e que foram inesperadas, quer na quantidade, modo e pessoas.
Em relação à minha saúde, ando bem melhor. Fui-me muito abaixo a meio de Janeiro,agora olhando para trás, percebo que andava tão a mil que nem tinha tempo para processar as minhas emoções.
E quando finalmente tudo (e por tudo,refiro-me ao trabalho) acalmou, "deitei cá para fora" em meia dúzia de dias, o que guardei em meses.
Os exames médicos revelaram as hormonas alteradas, devido ao stress. Nomeadamente descobri que tenho a prolactina a níveis insanos... eu nunca tinha ouvido falar em tal hormona, mas foi assim que fiquei a saber que, com estes valores, se tentar engravidar as dificuldades vão ser muitas. Daqui a um par de meses vou repetir os exames e se a dita hormona ainda estiver toda maluca, vou ter de fazer tratamento.
Isto deixa-me a pensar que há males que vêm por bem. Se eu e o meu marido estivéssemos já a tentar ter um filho, íamos apanhar desilusão mês após mês, e provavelmente ia passar muito tempo até descobrirmos que a minha prolactina não estava a ajudar. Assim antes de tentarmos, já vamos com o assunto tratado (assim se espera).
De resto, a médica receitou-me um anti-depressivo que tomei um único dia. Tive todos os sintomas secundários possíveis: enjoo, vómitos, dor de cabeça, diarreia e tonturas. Pela vossa saúde só tomem uma coisa daquelas se tiver MESMO de ser.
O meu "remédio" natural tem sido: muito exercício físico e "cagar" para o que não importa.
Eu tinha parado quase por completo com o exercício e voltei a fazer todos os dias, nem que sejam 15 minutos HIIT (High-intensity Interval Training), e sim! fazer exercício anima-me imenso!
E depois gosto de tirar fotos, fazer vídeos e partilhar no instagram, o que também me distrai.
Quanto ao "cagar" para o que não importa é algo que também se vai treinando. Há pessoas que nascem naturalmente assim, o meu marido por ex. e depois existem pessoas como eu, que têm muita raiva dentro de si para controlar. Em minha defesa devo dizer que também tenho, toda a vida senti que tinha, um íman de gente doida. Gente que me quer mal porque inveja o meu novo cargo, por ex., mas que não invejam aquilo que eu passo todos os dias... E agora tenho-me afastado ao máximo dessas pessoas, e quando não dá para as evitar, tento bloquear as energias que me passam. Penso nas minhas férias, por exemplo. Que já comprei e que já estou a planear, e que é um assunto bem mais interessante e bonito de se dar atenção.
E espero voltar aos posts normais do blog em breve =)

5 comentários:

Karina sem acento disse...

Eu não sou médica mas já algumas pessoas à minha volta com depressão. Dessas pessoas, vi aquelas que pareciam autênticos farrapos humanos enquanto tomavam medicação anti-depressiva. Efeitos secundários ao máximo, não se mexiam, quase não falavam.
E depois vi pessoas que decidiram não tomar nada mas que arranjaram qualquer coisa para ocupar o tempo livre e descarregar energias, como ir ao ginásio, ou ir a workshops de culinária, sei lá, tudo e mais alguma coisa.
E essas pessoas, que decidiram ser activas acabaram por atacar e vencer depressões mais rapidamente.
Qualquer das formas, força contigo! :D

Ana das Pontas disse...

O anti depressivo que tomo nunca me fez mal nenhum, mas também é fraquinho.

Mas tu estás com bom ar!! Para a frente é que é caminho! :D

Timtim Tim disse...

Eu tenho deficit de produção de serotonina, e como tal, tenho que tomar anti depressivo, o que faço desde que descobriram o problema há 6 anos. Nunca me fez mal. Mas o que me faz mesmo bem, minha querida é essa de mandar bugiar o que me faz mal e isso, faço cada vez mais. Com 41 anos, poucas são as coisas que realmente me afectam. Só se tiver que ver com problemas das minhas filhas.

Sílvia disse...

É bom ler-te mais animada :)

S* disse...

Estás tão bonita. Adoro a tua evoluçaõ!